em




       Receba nossos boletins em
       seu e-mail:




  Cadastre-se em nosso site, divulgue
  sua clínica, encontre artigos, cursos,
  escalas, congressos, vídeos, teste
  seus conhecimentos...
                         Saiba mais




  Grupo de discussão para troca de
  informações entre mães, boletins de
  orientação, serviços de atendimento
  a deficientes...
                         Saiba mais

Enquete

Destaque

Livros

Busca rápida

Informações

Ferramentas
A influência dos amigos no consumo de drogas... - 16/05/2016
Internacionalização da investigação e do ensi... - 16/05/2016
Tipo de ensino e autoconceito artístico de... - 16/05/2016
Recasamento: percepções e vivências dos... - 16/05/2016
Criança no tratamento final contra o câncer... - 16/05/2016
Relação entre bullying e sintomas depressivos... - 16/05/2016
Desempenho operatório de crianças com queixas... - 16/05/2016
Cuidado e desenvolvimento em crianças escolar... - 16/05/2016
A relação mãe-criança durante o atendimento... - 16/05/2016
Escala de Estratégias de Coping na adolescên... - 16/05/2016
Estudo indica que autismo pode ser identifica... - 11/08/2015
A criança com autismo... - 11/08/2015
Esporte: uma arma infalível no tratamento do... - 11/08/2015
Médicos e pais enfatizam importância do di... - 11/08/2015
Alunos autistas do Recife recebem aulas com r... - 11/08/2015
Escola municipal do Recife limita frequência... - 11/08/2015
O mundo de uma garota com autismo... - 11/08/2015
Estudante com autismo passou 5 anos sem con... - 11/08/2015
Estudo genético liga inteligência a risco de... - 11/08/2015
Monumentos ficam azuis para o Dia Mundial do... - 11/08/2015

Bookmark e Compartilhe
Biblioteca de Pais
A CRIANÇA E O BRINQUEDO

Francisco B. Assumpção Jr.

2 de janeiro de 2007

 

 

 

                  A CRIANÇA E O BRINQUEDO

                                                        Francisco B. Assumpção Jr.

 

 

 

O brincar é parte integrante do universo infantil sendo através dele que ela aprende, progressivamente, a se relacionar com o ambiente e consigo mesma.

Dessa maneira ele depende muito mais do desenvolvimento da criança do que de processos de mídia e de publicidade.

         Logo nos primeiros meses, o seu brincar é puramente exploratório, com ênfase nos processos sensoriais e, os brinquedos utilizados, dependem assim muito mais de sua consistência, textura, cor e som que emitem, possibilitando à criança, possibilidades de estimulação a nível auditivo, visual, tátil e, esporadicamente, olfativo ou gustativo. Ao final desse período, já próximo dos dois anos, encontramos a criança com a capacidade de “imitar” padrões de comportamento, simplesmente com finalidade lúdica e exploratória. É freqüente assim, a encontrarmos “fingindo que está dormindo”, por exemplo.

         Com o advento do pensamento Pré-Operatório, entre dois e seis anos de idade, aproximadamente, o padrão de brincadeiras transforma-se naquilo que é chamado de jogo simbólico, através do qual, a criança manipula o ambiente com sua fantasia, transformando-o para que se adapte.

         Desse período são brinquedos pouco estruturados que permitem à ela a utilização da fantasia e a projeção de suas próprias experiências. Dessa maneira, uma menina que “briga” com sua boneca mas depois permite que ela faça aquilo que não podia, não somente repete o modelo familiar observado como o corrige, em sua fantasia, para poder melhor aceitar e compreender as limitações impostas pelo meio.

         Após os 7 anos de idade, com o período de operações concretas, as brincadeiras tornam-se mais elaboradas, com os jogos se constituindo em jogos de regras, através dos quais a criança aprende a interagir com o outro de maneira regrada e, portanto, adaptada socialmente, e os jogos de construção, através dos quais ela elabora idéias e as passa do mundo mental para o mundo concreto, de maneira cada vez mais sofisticada e eficaz.

         Dessa maneira, o brincar vai possibilitando à criança, durante seu desenvolvimento, a possibilidade  cada vez maior, de poder se relacionar adequadamente com o mundo circunjacente, primeiramente de forma imitativa, depois de maneira cada vez mais própria e criativa, permitindo-lhe o caminhar em direção a sua autonomia.

 

 

O que os pais podem fazer.

 

         Habitualmente, quando vão comprar presentes, principalmente brinquedos, os pais deixam-se influenciar pela propaganda e pela necessidade de procurarem dar aos filhos o material mais caro e sofisticados que existe no mercado.

         Ao fazerem isso, correm o risco de, pouco tempo após darem o material a criança aborrece-se e para de utilizá-lo, preferindo utilizar, em suas brincadeiras, material barato e pouco sofisticado. Não são poucas as vezes em que os pais queixam-se de que “em lugar de brincar com o trenzinho elétrico, a criança prefere brincar com uma porção de porcarias”.

         Esse fato mostra exatamente uma das funções do brinquedo que costuma ser ignorada pelo adulto. Ele serve para que a criança possa relacionar-se com as coisas e, dessa maneira, quanto mais estruturado, menores são as suas possibilidades de utilização. Assim, somente após o advento do pensamento concreto, e com a criança já em idade escolar, é que os brinquedos mais rígidos, como os jogos com regras tipo damas ou xadrez, são utilizados a contento.

         Mesmo assim, se observarmos o sucesso de jogos de construção tipo LEGO, veremos que o mundo infantil demanda possibilidades de expressão e essa, mais do que dependente da publicidade, é analisada e validada por uma só pessoa: a criança, que usualmente mesmo mobilizada pela propaganda, após receber um brinquedo o analisa e, se ele não supre suas reais necessidades, não o utiliza. Por isso, ao comprar um brinquedo para seu filho, mais do que algo sofisticado, pense se ele representa o mundo infantil ou é somente a projeção do adulto na criança em questão.


Psiquiatria Infantil.com.br - Todos os direitos reservados © 2006 - 2015   Política de Privacidade   Termos e Condições de uso   Reprodução de conteúdo   Informações
Prof. Dr. Francisco Baptista Assumpção Jr.
Rua dos Otonis, 697 - São Paulo - SP
Telefone: (11) 5579 2762 - Tel/FAX: (11) 5579 7195
www.psiquiatriainfantil.com.br

Voltar ao Topo