em




       Receba nossos boletins em
       seu e-mail:




  Cadastre-se em nosso site, divulgue
  sua clínica, encontre artigos, cursos,
  escalas, congressos, vídeos, teste
  seus conhecimentos...
                         Saiba mais




  Grupo de discussão para troca de
  informações entre mães, boletins de
  orientação, serviços de atendimento
  a deficientes...
                         Saiba mais

Enquete

Destaque

Livros

Busca rápida

Informações

Ferramentas
A influência dos amigos no consumo de drogas... - 16/05/2016
Internacionalização da investigação e do ensi... - 16/05/2016
Tipo de ensino e autoconceito artístico de... - 16/05/2016
Recasamento: percepções e vivências dos... - 16/05/2016
Criança no tratamento final contra o câncer... - 16/05/2016
Relação entre bullying e sintomas depressivos... - 16/05/2016
Desempenho operatório de crianças com queixas... - 16/05/2016
Cuidado e desenvolvimento em crianças escolar... - 16/05/2016
A relação mãe-criança durante o atendimento... - 16/05/2016
Escala de Estratégias de Coping na adolescên... - 16/05/2016
Estudo indica que autismo pode ser identifica... - 11/08/2015
A criança com autismo... - 11/08/2015
Esporte: uma arma infalível no tratamento do... - 11/08/2015
Médicos e pais enfatizam importância do di... - 11/08/2015
Alunos autistas do Recife recebem aulas com r... - 11/08/2015
Escola municipal do Recife limita frequência... - 11/08/2015
O mundo de uma garota com autismo... - 11/08/2015
Estudante com autismo passou 5 anos sem con... - 11/08/2015
Estudo genético liga inteligência a risco de... - 11/08/2015
Monumentos ficam azuis para o Dia Mundial do... - 11/08/2015

Bookmark e Compartilhe
Artigos
NEUROIMAGEM NO ESPECTRO AUTISTA- REVISÃO SISTEMÁTICA

Márcio Candiani


12 de julho de 2007

NEUROIMAGEM NO ESPECTRO AUTISTA- REVISÃO SISTEMÁTICA

 

AUTISM SPECTRUM AND NEUROIMAGING-SISTEMATIC REVIEW

 

CANDIANI, Márcio[1]

 

Os transtornos do espectro autista, primeiramente descritos por Kanner (1), em 1943, apresentam como características principais os comportamentos restritos e repetitivos, além do prejuízo na socialização e comunicação. Os sintomas são mais evidentemente percebidos por volta dos 3 anos de idade, com regressão de aspectos importantes do desenvolvimento neuropsicojotor e piora dos sintomas aos 6 anos. Em 70% dos casos há retardo mental associado e em 33%, convulsões  (3). Sua prevalência é de4 1,2/10000 a 30,8 por 10.000 (4 e 5).  Está entre os transtornos neuropsiquiátricos com maior importância genética já demosnstrada.. Há 30 anos têm sido feitos diversos estudos de neuroimagem, após a percepção de aumento do perímetro cefálico em autistas: 25% apresentavam o perímetro cefálico com percentil maior do qu 97 e os achados de macrocefalia ocorreram também nas autópsias. Filipek (6) fez um importante achado neuropatolópgico. Muitos estudos de Neuroimagem foram feitos sem controle de idade e QI, o que implica vários “cofounders” fatores.

 

OBJETIVO – rever a literatura sobre neuroanatomia funcional do espectro autista

 

MÉTODOS – Revisão utilizando o Medline de todos os artigos de 1966 a maio de 2003 utilizando as seguintes palavras-chave: “parieto-temporal lobe”, “autism”,” cerebellar hemisphere volumes” and “neuroimaging”. Foram encontrados 107 artigos, dos quais foram selecionados os mais relevantes de acordo com o objetivo.

 

RESULTADOS –

1)      Aumento do Volume Cerebral (Spark, 7)

2)      Aumento do Ventrículo Lateral, temporal e parietal (8), mas não do do lobo frontal

3)      Aumento dos ventrículos laterais em jovens autistas em 3 estudos recentes de neuroimagem, Courchesne (9),.

4)      Crescimento do cérebro sem seguir um “guia”, segundo Courcherne (9)

5)      Cerebelo (responsável pela integração motora  e cuja lesão implica em redução das escolhas executivas e comportamento social e alterações do afeto  Courscherne e outros   mostraram hipoplasia do vérmix em 87%

6)      Gânglios basais (responsáveis por comportamentos estereotipados e rituais vistos no Transtorno Obsessivo Compulsivo e na síndrome de Tourette). Sears (10) mostrou aumento do Caudato, mas não do putâmen e globo pálido., controlando idade e QI.

7)      Alterções no corpo caloso, implicando em prejuízo na comunicação interhemisférica; Redução do volume do corpo calos, mostrado por Egas  e Piver

8)      Aumento do Lobo Parietal adjacente ao corpo caloso, Piven  e Filipek

9)      Sistema Límbico: constituído por lobo temporal, hipocampo e amigdala, responsável pela memória e funções afetivas .

a.      Sem redução no hipocampo

b.      Amígdala sem alterações, responsávvel por habilidades cognitivas e gravidade dos sintomas

                                                               i.     Aumento  do volume em autistas mais idosos e de alto funcionamento  e em autistas jovens de auto funcionamento

                                                             ii.     Redução em autistas mais velhos e de baixo funcionamento

10)  Hipoperfusão dos Lobos temporais em crianças autistas

11)  A tarefa de percepção de faces não estimula o giro fusiforme nos autistas, como ocorre nas pessoas normais

12)  Redução volumétrica do lobo frontal (funções executivas

13)  Redução do fluxo no giro prefrontal medial esquerdo e giro cingulado anterior, mostrado no SPECT (comunicação e socialização)

 

CONCLUSÕES – Recentes achados sugerem que o tamanho da amígdala, hipocampo e corpo caloso estariam anormais. Há, assim, provavelmente, alguma anormalidade na rede neural envolvendo o córtex fronto-têmporo-parietal, o sistema límbico e o cerebelo na fisiopatologia do autismo. Novas pesquisas devem ser feitas com neuroimagem, pois há “bias” envolvendo a metodologia de alguns estudos.

 

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

 

1.Kanner, L. Autistic disturbances of affective contact. Nerv Child 1943;2:217-250

2.Courchesne E. Infaltile autism. Part 1: Mr imaging abonrmalities and their neurobehavioral correlates. Int Pediatr 1995; 10:141-154

3.Gillberg C, Coleman, M. The Biology of Autistic Syndromes. London: MacKeith Press; 1992.

4. Bryson SE. Brief Report: epidemiology of autism. J Autism Dev Disord 1996; 26:165-167

5.Madsen Km, Hviid A, Vestergaar M, et al. A population-based study of measles, mumps & rubella Vaccination and autism. N Engl J Med 2002; 347: 1477-1482

6. Filipek Pa. Neuroimaging in the developmental disorders: the state of the science. J Child Psychol Psychiatry 1999;40:113-128

7.Sparks BF, Friedman Sd, Shaw DW, et al. Brain structural abmnormalities in young children with autismo spectrum disorder. Neurology 2002;59: 184-192

8. Piven, J ArndS, Bailey J, Andreasen N. Regional brain enargement in autism a magnetic resonance imaging study. J AM Acad Cdhild Adolesc Psychiatry 1995; 35: 530-536

9.Courchesne E, Karns CM, Davis HR, et al. Unusual brain growth patterns in early life in patients with autistic idsorder; an MRI study. Neurology 2001; 57-245-254

10. Sears LL, Vest C, Mohamed S, Bailey J, et al. An MrI study of the basal ganglia in autism. Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry 1999; 23: 613-624



[1] Psiquiatra da Infância e Adolescência – Prefeitura Munciipal de Belo Horizonte -

marcio_candiani@yahoo.com.br


Psiquiatria Infantil.com.br - Todos os direitos reservados © 2006 - 2015   Política de Privacidade   Termos e Condições de uso   Reprodução de conteúdo   Informações
Prof. Dr. Francisco Baptista Assumpção Jr.
Rua dos Otonis, 697 - São Paulo - SP
Telefone: (11) 5579 2762 - Tel/FAX: (11) 5579 7195
www.psiquiatriainfantil.com.br

Voltar ao Topo