em




       Receba nossos boletins em
       seu e-mail:




  Cadastre-se em nosso site, divulgue
  sua clínica, encontre artigos, cursos,
  escalas, congressos, vídeos, teste
  seus conhecimentos...
                         Saiba mais




  Grupo de discussão para troca de
  informações entre mães, boletins de
  orientação, serviços de atendimento
  a deficientes...
                         Saiba mais

Enquete

Destaque

Livros

Busca rápida

Informações

Ferramentas
A influência dos amigos no consumo de drogas... - 16/05/2016
Internacionalização da investigação e do ensi... - 16/05/2016
Tipo de ensino e autoconceito artístico de... - 16/05/2016
Recasamento: percepções e vivências dos... - 16/05/2016
Criança no tratamento final contra o câncer... - 16/05/2016
Relação entre bullying e sintomas depressivos... - 16/05/2016
Desempenho operatório de crianças com queixas... - 16/05/2016
Cuidado e desenvolvimento em crianças escolar... - 16/05/2016
A relação mãe-criança durante o atendimento... - 16/05/2016
Escala de Estratégias de Coping na adolescên... - 16/05/2016
Estudo indica que autismo pode ser identifica... - 11/08/2015
A criança com autismo... - 11/08/2015
Esporte: uma arma infalível no tratamento do... - 11/08/2015
Médicos e pais enfatizam importância do di... - 11/08/2015
Alunos autistas do Recife recebem aulas com r... - 11/08/2015
Escola municipal do Recife limita frequência... - 11/08/2015
O mundo de uma garota com autismo... - 11/08/2015
Estudante com autismo passou 5 anos sem con... - 11/08/2015
Estudo genético liga inteligência a risco de... - 11/08/2015
Monumentos ficam azuis para o Dia Mundial do... - 11/08/2015

Bookmark e Compartilhe
Biblioteca de Pais
ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PAPEL DE PAI E MÃE

Francisco Baptista Assumpção Jr.

27 de abril de 2011

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PAPEL DE PAI E MÃE


 

Francisco Baptista Assumpção Jr*

i) NOÇÕES BÁSICAS SOBRE A CRIANÇA

Você já parou para se perguntar sobre o quanto é difícil ser pai e mãe e, em consequência, cuidar de alguém totalmente dependente de você? Não? Então vejamos:

LEMBRE-SE: A criança é um indivíduo em uma fase mais primitiva de desenvolvimento que as pessoas adultas e por isso, tem que ser vista a partir de sua ótica e não da ótica do adulto, que é o responsável. Isso porque se é viável para o adulto descer até ela, é impossível para ela pensar como alguém adulto.

Assim, se ele tem maiores dificuldades em compreender, você não deve deixar de conviver ou de brincar com seu filho achando que ele não entende. Pelo contrário, favoreça esse contato.

Você pensa que seu filho não perceberá sua participação, porém ele se beneficiará, não só socialmente, mas também pelos estímulos que ele receberá e pelos papéis sociais que ele aprenderá com e a partir de você.

E aí vem a pergunta: todas as crianças são iguais? Claro que não! Em primeiro lugar porque são pessoas diferentes e como tal devem ser tratadas e em segundo lugar porque seu grau de compreensão também é diferente conforme sua idade.

Você já deve ter escutado mil coisas sobre a criança, a maior parte delas bobagens, fruto do conhecimento vulgar, divulgadas como se fossem verdades absolutas.

Não se preocupe muito com isso pois essas coisas costumam ter um valor muito relativo e só interessam como curiosidade pois ter filhos não significa saber cuidar deles.

Mas, A criança deve ser vista dentro de seu ambiente e, em consequência, apresentar demandas diferentes que requerem atitudes e cuidados muito diferentes.

LEMBRE-SE BEM: Essas considerações são sempre gerais, não são estáticas e imutáveis e,por isso, você não deve desanimar no que se refere ao cuidado com a criança e, muito menos, achar que você sabe tudo uma vez que seus pais, e antes deles seus avós, já cuidavam dos filhos. Essas considerações são sempre gerais, não são estáticas e imutáveis e,por isso, você não deve desanimar no que se refere ao cuidado com a criança e, muito menos, achar que você sabe tudo uma vez que seus pais, e antes deles seus avós, já cuidavam dos filhos.

Ser pai e ser mãe leva, obrigatoriamente, à reflexão constante sobre o que se faz, como como se faz e para quem se faz uma vez que, as crianças, como já dissemos, são totalmente difere diferentes umas das oudas outras...

Outra pergunta muito comum quando se refere a algum problema que a criança apresenta é: de quem é a culpa pelo que está acontecendo? Saiba que, na maior parte das vezes, ninguém tem culpa, e quando existe uma responsabilidade sobre o fato, essa é familiar uma vez que existem muitos fatores que interferem no comportamento infantil.

Assim, existem condutas suas que se refletirão nas atitudes da criança e que se reverterão contra ela própria e contra a família.

Isso porque existem fatores que ocorrem durante a própria vida da criança como perdas, problemas educacionais e outros que se refletem em suas condutas. Por isso, como cuidar dela?

Uma criança é um organismo em desenvolvimento, e por isso, pode ser facilmente afetado. Assim, merece muitos cuidados.

Quando você não souber o que fazer procure informar-se com quem sabe. Um médico pediatra pode ser o profissional mais fácil de ser procurado. Quando for possível, um psicólogo ou um psiquiatra de crianças também são excelentes alternativas.

Veja, não é tão difícil pois "uma criança" precisa de coisas que todas as crianças precisam: afeto, carinho, atenção...


ii) A FAMÍLIA E A CRIANÇA

A família é uma organização única, célula básica da sociedade; é também uma unidade de troca, onde os valores são amor, proteção, segurança, bens materiais e informação.

Toda criança é produto de muitos fatores recíprocos. O sucesso da criança vai depender do ajustamento dos pais e de suas habilidades para prover os filhos e suas próprias necessidades pessoais.

A compreensão do potêncial de qualquer criança é função dos pais ao acompanharem seu crescimento e desenvolvimento. Cabe também aos pais a exploração das aptidões inatas e depende da força constante e do apoio que a criança recebe seu bom aproveitamento. Para conduzir bem esse trabalho os pais devem reduzir ao mínimo os conflitos emocionais pois os ajudará a aumentar a reciprocidade entre eles e a criança. Os pais de crianças com alguma dificuldade às vezes precisam de ajuda para evitar seus conflitos, ansiedades e frustrações.

LEMBRE-SE: O bom ambiente familiar é fator importante no desenvolvimento sadio das crianças.

A criança precisa ser socializada para não ficar em desvantagem com as outras pessoas; nesse processo de socialização ela deve ser olhada como um indivíduo único. Todas as suas necessidade biológicas e psicossociais estão interligadas e sofrem transformações à medida que criança cresce.

Sem ajuda e apoio dos pais a socialização será muito mais difícil. Para ela, o estímulo, a motivação e o afeto dos pais é imprescindível para uma boa orientação. A criança precisa formar um bom conceito de si mesmo, sentindo-se aceito.

O aprendizado do comportamento social adequado começa no lar, com a família, sendo os pais os responsáveis pela educação informal. Os estímulos dados e as respostas emitidas devem estar unidos para que o comportamento possa ser fortalecido ou enfraquecido.

LEMBRE-SE: Confie no seu filho que ele responderá adequadamente. Todas as pessoas respondem bem a confiança depositada nelas.

A criança precisa ser disciplinada e essa necessidade é decisiva. Esse princípio de disciplina precisa vir dos pais. Não é bom criar o seu filho com indulgência pois este fator o diferenciaria dos outros filhos. Para estimula-lo no seu desenvolvimento, como pessoa independente e auto-suficiente, precisamos dar-lhe condições para ser responsável. Como pais, temos que preparar a criança para a sociedade competitiva.

Os pais devem ensinar desde cedo a seus filhos o princípio da autoridade. Esse aprendizado facilita a interrelação das pessoas, pois quando há respeito há bom relacionamento.

LEMBRE-SE: Você é responsável pelo bom ajustamento de seu filho na sociedade ampla.

A família não deve esquecer-se que, dependendo de sua maneira de tratálas, as crianças são levadas a se desvalorizarem. Depende dos pais passar a seus filhos um bom conceito de si. Um saudável conceito de si mesmo aparecerá com certeza se a criança tiver seu desenvolvimento encaminhado corretamente, isto é, da dependência para uma independência cada vêz maior. Mesmo que a criança tenha problemas, suas dificuldades serão abrandadas se for adquirindo um autoconceito favorável.

LEMBRE-SE: Ajudar a criança a desenvolver uma auto-imagem favorável é decisivo para sua vida. Colabore.

As crianças precisam ter autoconfiança e o passo inicial para isso é a sua aceitação, da maneira como ela é, acreditando no seu valor e na sua possibilidade de progredir. Se ela se aceitar estará facilitando a sua adaptação social. Cabe à família ajudar as crianças a reconhecerem seu valor, fazendo-as compreender que são desejadas e amadas. Para os pais passarem isso precisam ter claro para si, buscando aceitação do filho como ele é, lidando com as suas limitações e ajudando-os a conseguir o que podem fazer. O respeito é fundamental nas relações assim como a preocupação com os sentimentos; a avaliação criteriosa das possibilidades levará essas crianças a terem mais segurança no mundo. É função da família mostrar à criança um mundo seguro.


iii) O BRINCAR INFANTIL

Durante o primeiro ano de vida , a criança brinca basicamente com seu próprio corpo a partir da necessidade de reconhecê-lo e diferenciá-lo das outras pessoas. Assim, surgem jogos repetitivos com as mãos e pés, bem como atividades ritualísíicas de balanceies de corpo e cabeça.

Ao final do segundo ano, entretanto, ela passa a fazer aquilo que chamamos de jogos de imitação onde experimenta atividades que irá desenvolver mais tarde, "copiando" atos do cotidiano. Assim, é muito frequente que, ao chegarmos em casa, encontremos o filho deitado, de olhos fechados e que, ao ser questionado, responda que "está fingindo que está dormindo".

Até este momento, a utilização de material lúdico é sempre com características sensoriais e, praticamente, sem significado.

Com o advento da função simbólica, a partir da qual a criança é capaz de representar através de um símbolo, um fato, um objeto ou uma pessoa, ela passa a ter aquilo que chamamos de jogo simbólico onde além de reproduzir, também "corrige" atitudes e atividades do cotidiano. Dessa maneira, quando uma menina de 3-4 anos de idade, diz à sua boneca para ir dormir senão apanha e, após uma pausa, continua dizendo que "como ela foi boazinha, poderá assistir mais um pouco de TV", ela não somente está reproduzindo as atitudes da mãe na primeira parte do diálogo, como está alterando essa conduta de forma que lhe seja tolerável.

Como as noções de real e imaginário ainda não estão definidas, o brincar serve para que ela adapte sua vontade às exigências sociais.

Nesse momento, o processo de socialização ainda se encontra em fase de estruturação, e as crianças brincam uma ao lado da outra, com pequena interação e com os jogos ocorrendo de forma paralela e sem regras. São típicos desse período os jogos com os quais a criança brinca isoladamente sem grandes interações interpessoais.

Ao redor da idade escolar, entre 6 e 7 anos de idade, o panorama se delineia de maneira diferente, com os jogos se estruturando de modo concreto, definindo-se regras que são um treinamento para o convívio social e, também são de caráter construtivo, uma vez que a sua capacidade lhe permite transformar um projeto bidimensional ( planta de um carrinho ou de uma casinha) em um objeto tridimensional real e concreto.

Assim, neste momento as brincadeiras já mostram uma adequação bem grande, com as regras sendo claras e obedecidas. É fácil se observar isso quando vemos um grupo de garotos de 8 anos jogar futebol, divididos em dois times e respeitando as regras conhecidas do jogo. Da mesma maneira, brinquedos como o Lego ou outros jogos de montar são bastante interessantes uma vez que permitem à criança o desenvolvimento de sua criatividade e de sua imaginação.

Os brinquedos representam um elemento importante do universo infantil, servindo para que a criança interaja, através dele, com seu universo criando-o simultaneamente.

Brinquedos muito sofisticados, bonitos ou caros não são, obrigatoriamente, os melhores para isso, e muitas vezes a criança prefere utilizar material não estruturado, como sucata, com o qual imagina jogos e objetos que lhe servirão para essa construção. Assim, mesmo sabendo que apesar de toda a publicidade, a criança só utilizará por mais tempo (depois de passada a curiosidade da descoberta) brinquedos que realmente tenham a ver com seu desenvolvimento, não podemos esquecer que o brincar é algo muito sério que possibilitará o desenvolvimento e à adequação da criança com seu ambiente social e familiar.


iv) BRINCANDO COM SEU FILHO

temos nenhuma identificação (pois são coisas de crianças) e que executamos porque faz parte do nosso papel de pai ou mãe.

O brincar, paralelamente ao fazer parte do universo infantil, se constitue em uma das poucas formas que a criança possue para se relacionar e para manifestar seus desejos, fantasias, medos e expectativas.

Concomitantemente, o adulto ao brincar retorna ao seu universo infantil e com isso revive episódios muitas vezes esquecidos e mal elaborados que produzem ansiedade ou tristeza, isso sem contar que, a partir de uma educação predominantemente pragmática, somos ensinados que "brincar" se constitue em perda de tempo uma vez que corresponde a uma atividade não produtiva.

Assim, cada vez mais a relação adulto-criança vai se distanciando, restringindose a capacidade de comunicaçõa entre ambos os grupos e a possibilidade do desenvolvimento da criatividade da criança. Isso porque ao brincar estabelece-se um diálogo imaginário onde são subvertidas as normas e regras do cotidiano estabelecendo-se uma relação onírica que transcende os simples papéis educativos presentes no relacionamentos pais-filhos.

Dessa forma, além de simplesmente cumprir o papel de pais, ao brincar com seus filhos de maneira livre e criativa, possibilita-se uma relação de afeto onde ambos os participantes aprendem a se conhecer no mais íntimo de seu ser independentemente das normas previamente estabelecidas e dos rituais que permeiam as relações familiares.

Mais que isso, é possibilitar à criança a chance de um crescimento saudável que lhe permita tornar-se um adulto mais criativo e consciente de suas possibilidades.


v) ALFABETIZAÇÃO PRECOCE

É bastante frequente observarmos crianças com 5-6 anos de idade, encaminhadas pela escola ao médico com queixa de "problemas de aprendizado" que, quando verificados, mostram-se como a dificuldade da criança em aprender a ler e escrever.

Isso nos traz a necessidade de uma reflexão profunda pois se, por um lado, uma sociedade pragmática e competitiva como a nossa demanda uma série de pré-requisitos que façam dessa criança alguém mais adaptado, por outro lado também nos leva a pensar nas reais possibilidades dessa criança.

Isso porque não podemos esquecer que, embora o investimento ambiental que é feito sobre a criança seja de extrema importância, uma vez que ela se constitui num ser de extrema plasticidade, existe o, assim chamado, “equipamento” genéticoconstitucional com o qual a criança nasce e que segue leis de desenvolvimento razoavelmente estudadas.

Durante essa fase de 2 a 6 anos de idade, a criança encontra-se em período préoperatório de desenvolvimento, no qual começa a realizar operações mentais, sem ainda condições, usualmente, de desenvolver um aprendizado acadêmico tradicional uma vez que não possui atenção estruturada para tal da mesma maneira que condições de inteligência que lhe permitam compreender os mecanismos necessários para a alfabetização.

Claro que nem todas as crianças se desenvolvem de maneira igual; dentro de uma mesma família podemos ter uma criança que aprende a ler mais cedo enquanto o irmão, dentro também dos padrões de normalidade, só vai conseguir aprender ao redor dos 7 anos.

Assim, o processo de alfabetização, mais do que decidido através de determinações das escolas, deve ser verificado a partir dos interesses e das possibilidades da criança, não devendo ser considerada como condição básica de seu desenvolvimento.


vi) A QUESTÃO DA INTIMIDADE ENTRE PAIS E FILHOS

Ao redor dos 3-4 anos de idade a criança, por seu desenvolvimento cognitivo, inicia a explorar seu próprio corpo visando estabelecer sua própria identidade sexual e, consequentemente, seu próprio papel sexual, com significado eminentemente social.

Paralelamente a essa auto-exploração, estabelece-se uma exploração em relação ao corpo do outro, quer seja de idade semelhante à sua, quer seja adulto. Dessa maneira, quando a criança nessa idade procura um familiar pedindo para tomar banho junto, em verdade procura inicialmente motivos para conhecer seu corpo e o do outro.

Entretanto, o adulto ao ser indagado, traz consigo uma série de valores éticos e morais, adquiridos no passar dos anos que, são normalmente, difíceis de ser enfrentados. O fato de ser questionado pela criança não implica que ele deva ceder e, com isso, desrespeitar seus valores e suas convicções.

O negar-se a proporcionar tais situações não implica obrigatoriamente em dificultar o desenvolvimento da criança, da mesma maneira que permiti-las não garante um melhor desenvolvimento.

Mais importante do que as questões relacionadas a permissividade maior ou menor é a necessidade de coerência na educação infantil, coerência essa que para ser mantida deve respeitar o sistema de valores da própria família, da mesma forma que deve adequar gradativamente a conduta infantil à sociedade na qual a criança se insere. Assim, a intimidade entre pai e filha nessa idade deve considerar os valores paternos, o desenvolvimento da criança e a adequação social, sem, é claro, ignorar-se que esse relacionamento deve sempre ser pautado pelo respeito mútuo e pela defesa da criança que, em hipótese alguma, deve ser levada à práticas ou atitudes que podem prejudicá-la.

Em caso de dúvidas, a conduta mais adequada é a conservadora, aquela que não oferece à criança nenhuma possibilidade de que venha a ser abusada ou mesmo, mal orientada pelo adulto.

A sua defesa, como ser em desenvolvimento, deve se constituir no fator básico de preocupação de pais e educadores.


*Psiquiatra Infantil. Professor Livre Docente pela Faculdadede Medicina da USP. Professor Associado do Instituto de Psicologia da USP


Projeto Distúrbios do Desenvolvimento do Laboratório de Saúde Mental do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP-USP)

Site do PDD: http://disturbiosdodesenvolvimento.yolasite.com

Artigo disponível em:

http://disturbiosdodesenvolvimento.yolasite.com/resources/papel_pai_e_m%C3%A3e.pdf


Psiquiatria Infantil.com.br - Todos os direitos reservados © 2006 - 2015   Política de Privacidade   Termos e Condições de uso   Reprodução de conteúdo   Informações
Prof. Dr. Francisco Baptista Assumpção Jr.
Rua dos Otonis, 697 - São Paulo - SP
Telefone: (11) 5579 2762 - Tel/FAX: (11) 5579 7195
www.psiquiatriainfantil.com.br

Voltar ao Topo