em




       Receba nossos boletins em
       seu e-mail:




  Cadastre-se em nosso site, divulgue
  sua clínica, encontre artigos, cursos,
  escalas, congressos, vídeos, teste
  seus conhecimentos...
                         Saiba mais




  Grupo de discussão para troca de
  informações entre mães, boletins de
  orientação, serviços de atendimento
  a deficientes...
                         Saiba mais

Enquete

Destaque

Livros

Busca rápida

Informações

Ferramentas
A influência dos amigos no consumo de drogas... - 16/05/2016
Internacionalização da investigação e do ensi... - 16/05/2016
Tipo de ensino e autoconceito artístico de... - 16/05/2016
Recasamento: percepções e vivências dos... - 16/05/2016
Criança no tratamento final contra o câncer... - 16/05/2016
Relação entre bullying e sintomas depressivos... - 16/05/2016
Desempenho operatório de crianças com queixas... - 16/05/2016
Cuidado e desenvolvimento em crianças escolar... - 16/05/2016
A relação mãe-criança durante o atendimento... - 16/05/2016
Escala de Estratégias de Coping na adolescên... - 16/05/2016
Estudo indica que autismo pode ser identifica... - 11/08/2015
A criança com autismo... - 11/08/2015
Esporte: uma arma infalível no tratamento do... - 11/08/2015
Médicos e pais enfatizam importância do di... - 11/08/2015
Alunos autistas do Recife recebem aulas com r... - 11/08/2015
Escola municipal do Recife limita frequência... - 11/08/2015
O mundo de uma garota com autismo... - 11/08/2015
Estudante com autismo passou 5 anos sem con... - 11/08/2015
Estudo genético liga inteligência a risco de... - 11/08/2015
Monumentos ficam azuis para o Dia Mundial do... - 11/08/2015

Bookmark e Compartilhe
Notícias
A criança com autismo

Por: O assunto é permeado por indefinições, mas atualme

11 de agosto de 2015

Disney Babble - [link]

Data: 2014

A criança com autismo

O assunto é permeado por indefinições, mas atualmente é possível informar-se sobre a síndrome com qualidade e desmistificar rótulos

A criança com autismo

Quando se fala em autismo, que imagem vem à sua cabeça? Alguém se balançando em um canto e repetindo palavras ininteligíveis? Pois acredite: a síndrome é muito mais complexa do que isso.

Veja também:Sabe a diferença entre convulsões febris e epilepsia?

O autismo infantil foi descrito inicialmente pelo psiquiatra Leo Kanner, em 1943. Autistas eram crianças que apresentavam prejuízos nas áreas da comunicação, comportamento e interação social.

Um ano depois, o médico Hans Asperger denominou uma síndrome para crianças semelhantes, mas que, aparentemente, eram mais inteligentes e sem atraso significativo no desenvolvimento da linguagem.

Com maior conhecimento à condição, surgiram outras denominações. Atualmente, utiliza-se o termo Transtorno do Espectro Autista (TEA) para englobar o Autismo, a Síndrome de Asperger e o Transtorno Global do Desenvolvimento Sem Outra Especificação.

As mais recentes estatísticas indicam a prevalência de 1 autista para cada 160 pessoas, número muito superior aos das décadas anteriores, provavelmente porque o reconhecimento da síndrome hoje é maior.

Segundo o Projeto Autismo, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, estima-se que, em 2007, havia cerca de 1 milhão de casos de autismo no Brasil.

Atualmente, o número mais aceito é a de 2 milhões de casos, ou seja, 1% da população brasileira. No mundo, a Organização das Nações Unidas estima que tenhamos cerca de 70 milhões de autistas.

Afinal, o que é o autismo?

O autismo é uma síndrome. Não tem causa definida e possui múltiplos sinais. Acredita-se que tem bases genéticas e ambientais combinadas, além de uma possível deficiência em nível neuronal. Um dado relevante: o autismo afeta quatro vezes mais os meninos.

Os autistas repetem comportamentos típicos: atraso na fala, a não retribuição do olhar e a falta de habilidade em se relacionar, por exemplo. Entretanto, as características individuais variam amplamente.

A dificuldade em fazer amigos está presente em todos os graus de autismo, mas ela pode ser combinada com uma grande timidez, que é característica daquele indivíduo e não de todos os autistas.

“Por isso, é importante desmistificar os rótulos. As pessoas devem ser vistas em seu potencial e não pelas suas dificuldades”, frisa Fausta Cristina de Pádua Reis, psicopedagoga e membro fundadora e voluntária do Instituto Autismo & Vida.

Por ser uma síndrome ampla, os profissionais trabalham com um espectro de transtornos. Atualmente, o DSM-V - Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais classifica o autismo em grave (ou clássico), moderado e leve (entra aqui a conhecida Síndrome de Asperger).

Autismo

Como identificar

No autismo não há regras. Geralmente, a criança começa a apresentar atrasos no desenvolvimento global percebidos pelas famílias entre os 3 e os 6 anos de idade. E ele pode se manifestar em duas formas: desde o nascimento, que é o chamado autismo regressivo, ou após.

No primeiro caso, desde bem pequeno, sinais como alheamento, o não compartilhamento do olhar e falta de aconchego ao mamar, por exemplo, estão presentes. No segundo, a criança se desenvolve em aparente normalidade até passar a se isolar e começar a perder certas habilidades, como a fala.

Caso o grau de comprometimento seja leve, os sinais ficam mais claros quando a criança chega à idade escolar, o que evidencia as diferenças de comportamento e habilidades.

“É comum pessoas serem diagnosticadas com autismo apenas depois de adultos, após uma vida toda se sentindo deslocadas e confusas sem saber de sua condição”, comenta Fausta.

O que observar

Um dos fatores mais importantes ao qual os pais e familiares devem ficar atentos é ao compartilhamento. As crianças autistas geralmente não compartilham seus interesses, suas reações ao descobrir o mundo, não possuem vivacidade no olhar nem buscam o olhar do adulto.

Como o autismo é uma síndrome comportamental e não pode ser detectada por exames físicos, todo e qualquer comportamento não comum às crianças deve ser sinal de alerta.

Vale lembrar que o autismo só pode ser diagnosticado por profissionais capacitados da área médica: pediatras, neuropediatras, psiquiatras infantis, neuropsicólogos. O ideal é realizar avaliações com o olhar de múltiplos profissionais.

Cuidados com uma criança autista

O diagnóstico está fechado? Seu pequeno vai precisar de uma equipe multidisciplinar para auxiliar no seu desenvolvimento: fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, psicopedagogo, psicólogo, psiquiatra ou neurologista infantil. É também fundamental que a família receba suporte emocional. Não é difícil encontrar associações com esta finalidade.

Mas há algo certo e consenso a respeito da síndrome: as melhores chances de o autista ter mais qualidade de vida e de desenvolver suas habilidades estão diretamente relacionadas ao início do tratamento precoce.

“É preciso aproveitar muito os primeiros anos de vida”, explica o jornalista Paiva Junior, pai de um autista de 5 anos, editor-chefe da Revista Autismo e autor do livro “Autismo – Não espere, aja logo!” (M. Books)

Programe o dia a dia

A criança com autismo, assim como qualquer filho, demanda cuidados e atenção. Por causa de suas dificuldades específicas, algumas posturas devem ser adotadas.

Estruture uma rotina dinâmica e variada e prepare o seu filho para todas as atividades e possíveis imprevistos. Do contrário, a falta de flexibilidade mental pode trazer ansiedade e frustração diante do novo ou inesperado. 

É importante lembrar que qualquer criança precisa de educação e limites. Além disso, seu filho tem habilidades e pontos fortes que precisam ser estimulados para um melhor desenvolvimento global.

“Filhos, sejam como forem, dão sempre algum trabalho e trazem diferentes preocupações. Mas são uma fonte única de alegria. Com os autistas, é exatamente igual, talvez com um pouco mais de intensidade”, diz Ana Maria de Mello, superintendente da Associação de Amigos do Autista (AMA).

E o futuro?

“Ninguém pode dizer até onde uma pessoa com autismo pode ir. Não há determinismo, por isso não vale desistir”, afirma Fausta. É preciso estudar, ler e se informar para que as escolhas com relação ao seu desenvolvimento sejam feitas com mais segurança.

Muitos autistas são independentes, se casam, têm filhos e sucesso profissional. Outros têm comprometimentos mais graves que dificultam a plena autonomia, mas ainda assim podem ser pessoas felizes e realizadas.

O maior entrave para que a vida plena de um autista é o preconceito e a desinformação da sociedade. “Devemos entender que a pessoa com autismo é plena de possibilidades, mas deve ser respeitada em suas necessidades”, comenta Fausta.

Ana Cristina é mãe de Guilherme, que já tem 34 anos. “Ter um filho autista nem sempre é fácil. Passei por várias fases ao longo da vida do Gui: fiquei triste porque minhas expectativas com relação à maternidade não estavam sendo alcançadas, neguei o problema, não queria sair de casa com ele, sofri muito preconceito, inclusive dos familiares próximos...”, lembra-se.

Como salienta, ninguém está preparado para ter um filho especial. “Mas fui atrás de informação e fizemos de tudo para que ele se desenvolvesse da melhor maneira possível. O mais importante é que eu nunca paro de aprender”, afirma.

Ana Cristina garante que, diariamente, Guilherme lhe dá lições de humildade, paciência e empatia. “Meu filho foi a medida para que eu me tornasse uma pessoa melhor. Eu devo muito a ele”, revela.

Para se informar mais

 

(Fotos: Getty Images)


Psiquiatria Infantil.com.br - Todos os direitos reservados © 2006 - 2015   Política de Privacidade   Termos e Condições de uso   Reprodução de conteúdo   Informações
Prof. Dr. Francisco Baptista Assumpção Jr.
Rua dos Otonis, 697 - São Paulo - SP
Telefone: (11) 5579 2762 - Tel/FAX: (11) 5579 7195
www.psiquiatriainfantil.com.br

Voltar ao Topo